Livros, Filmes e Nerdices aleatórias

Arquivo da categoria: Livros

OperacaoPerfeito-ColorindoNuvens

Quando escolhi essa obra na livraria estava em busca de uma leitura suave. Estou lendo Maus uma HQ sobre o Holocausto e simplesmente não consigo avançar muitas páginas de uma só vez, por achar a trama muito densa.

Então, decidi buscar um livro que fosse completamente o oposto e Operação Perfeito foi uma escolha bem aleatória, apenas essa frase me chamou a atenção: Uma história sobre um segredo, um erro terrível e a natureza destrutiva da perfeição.

Eu esperava encontrar uma trama que abordasse o tempo e consequentemente, a perfeição inexistente que buscamos. Talvez, quisesse uma história que pudesse tratar de duas questões que frequentemente me incomodam e ter encontrado qualquer coisa menos isso, com certeza, contribuiu para aumentar a minha decepção com o livro.

Parte da história se passa em 1972 quando foi anunciado que dois segundo iriam ser acrescentados ao tempo. O fato que causou tanto espanto para o garoto Byron mostrou-se realmente desastroso e a sua vida mudou completamente nesse pequeno e imperceptível momento.

OperacaoPerfeito-ColorindoNuvens

É justamente nesses dois segundos extras que o garoto presencia um acidente de carro causado pela mãe, porém, Diana passa a agir como se nada tivesse acontecido e quando os questionamentos sobre o ocorrido tornam-se insuportáveis demais para serem guardados só para si, o garoto solicita ajuda a James, o seu melhor amigo, e juntos iniciam a Operação Perfeito, que consiste numa série de ações com o objetivo de investigar e solucionar o caso.

A outra parte da trama passa-se nos dias atuais e acompanhamos parte da história e cotidiano de Jim, um sujeito de meia idade e alguns distúrbios comportamentais e TOC.  Seu passado nos é revelado gradativamente e ao longo da trama vamos conhecendo os fantasmas de seu passado e o que o levou a passar grande parte de sua vida em Instituições Psiquiátricas.

Tendo como plano de fundo o mesmo cenário, percebemos como o garoto Byron e Jim enxergam a charneca, as construções, as contradições e a beleza da cidade londrina nas diferentes épocas em que se passam as histórias até que os enredos possam finalmente se encontrar e revelar os laços que os unem.

OperacaoPerfeito-ColorindoNuvens

A leitura é bem simples, mas o livro demora a engrenar e mesmo quando isso acontece ficamos presos a uma trama que parece não ter muito fundamento ou importância. O fato central da história não adquiriu um significado real para mim o que dificultou o meu envolvimento.

Por se tornar a maior vítima do acidente que ela mesma causou Diana Hemmings adquire grande destaque no decorrer dos capítulos e a sua rotina antes totalmente focada nas crianças começa a se alterar ao iniciar uma amizade destrutiva com o objetivo de recompensar todos os danos causados.

Seymor, o pai, passa a maior parte da história ausente e é representado como uma figura opressora que fornece a família uma ótima condição de vida, mas falha miseravelmente quando o assunto é o amor.

Operação Perfeito nos fornece uma história “OK”. Não é de todo ruim, mas não empolga ou impressiona. Seus personagens apesar de bem construídos não conseguiram me causar empatia e alguns desfechos se mostraram superficiais ou previsíveis.

Vocês já leram esse livro? Também tiveram essa impressão negativa? Me contem nos comentários! Beijos e até a próxima!


maucomeço-colorindonuvens

Eu sou apaixonada por livros de fantasia. Tenho certeza de que quem é da geração que cresceu sob as influencias dos livros de J. K. Rowling  vai entender o que estou dizendo sem maiores explicações.

Hoje, mesmo depois de bem crescidinha, continuo gostando de obras voltadas para o público infanto-juvenil. Acho interessante a forma simples com que essas histórias são contadas e frequentemente me pego pensando que o eu da minha infância iria adorar ouvir esse tipo de história antes de dormir, e de alguma forma, uso isso como uma espécie de medidor de satisfação que identifica se o livro me ganhou ou não.  Desventuras em Série – Mau Começo felizmente, conseguiu se sair bem em todos esses quesitos.

O livro tem uma narrativa bem clara e fluida e ouvimos a história da boca de Lemony Snicket um narrador onisciente que logo de início já nos deixa claro que esse livro literalmente, não vai ter um final feliz.

Nessa primeira obra da série que possui um total de 13 livros, somos apresentados a difícil jornada dos irmãos Baudelaire. Os três irmãos se vêm completamente deslocados após receberem a notícia de que os pais morreram num misterioso incêndio que destruiu a mansão onde viviam.

MauComeco-ColorindoNuvensHá desenhos no início de cada capítulo

O testamento é claro. Em caso da morte dos pais, as crianças deveriam ser entregues para o parente mais próximo. É ai que a vida das crianças se torna um verdadeiro inferno e Violet, Klaus e Sunny ficam a mercê das vilanias do Conde Olaf.

Como vilão, o personagem não deixa a desejar e também não foge do estereótipo. Além de ter uma aparência assustadora, age de maneira inescrupulosa e dissimulada. Deixando bem claro que está tramando algo para colocar as suas asquerosas mãos na fortuna dos Baudelaire. Logo, começa a maltratar seus filhos por lei dando-lhes inúmeras tarefas, privando-os de qualquer conforto e ameaçando-os com a presença de seus estranhos amigos do grupo de teatro.

Como uma boa obra introdutória, aos poucos vamos nos familiarizando com as características dos personagens. Violet, a mais velha dos Baudelaire é extremamente responsável, cuida de seus irmãos mais novos e é capaz de criar engenhocas surpreendentes.

MauComecoPersonagens-ColorindoNuvensApresentação dos personagens

Klaus é o amante dos livros. Seu lugar preferido é a biblioteca e é capaz de se lembrar de tudo o que lê; já Sunny, é a caçula da família, com seus dentinhos afiados morde tudo o que encontra pela frente e apesar de não falar, se faz entender através de seus grunhidos.

O narrador é um personagem a parte, e passamos a nos sentir próximos dele quando frequentemente introduz uma nota explicativa ou nos alerta sobre as inúmeras desventuras dos Baudelaire.

Mau Começo me proporcionou uma ótima leitura. A história é bem envolvente e com uma simplicidade impressionante. É muito mais voltada ao público infantil, então esteja atento a esse detalhe antes de se decepcionar com a inocência da história. Recomendo!


banner - livro

Resolvi comprar esse livro porque me lembrava que alguém tinha me falado que tinha ouvido que era bom. A confusão afinal estava certa. Meu namorado ouviu um podcast sobre o assunto e pensou que talvez eu iria gostar e não se enganou, As vantagens de ser Invisível levanta algumas questões bem interessantes e me prendeu muito mais nas pequenas e simples conclusões do protagonista Charlie do que no rumo tomado pela trama em si.

Acompanhamos um ano da vida escolar de Charlie, um menino introspectivo que limitou a sua existência até aquele momento, apenas como espectador, não tendo chances de participar de fato, das novas experiências e muitas vezes, não se permitindo participar.

As vantagens de ser invisível

Toda a história é contada por meio das cartas enviadas a uma pessoa que não nos é revelado, deixando em dúvida se é alguém realmente real ou imaginário, mas essa característica nos aproxima do personagem, e em muitos momentos simplesmente pude interpretar que as cartas fossem destinadas a mim.

Passando pelo trauma de ter de lidar com o caso de suicídio de seu único e melhor amigo e constantemente abalado com a morte de sua tia Helen, as coisas só começam a mudar quando os irmãos Patrick e Sam passam a fazer parte de sua vida. Ao lado dos amigos adolescentes, Charlie experimenta as diversas sensações que o mundo tem a oferecer, mas permanece fiel aos seus próprios ideais.

As vantagens de ser invisível

O autor não nos deixa claro, se o personagem tem realmente algum distúrbio psicológico. A sensibilidade e pureza de Charlie são exageradas em diversos momentos, sem contar em seu histórico de internações e atitudes consideradas anormais.

A adolescência é comprovadamente uma fase conturbada de nossa existência. Os personagens da trama estão aprendendo a lidar com seus próprios sentimentos e, além disso, passam por situações bem pesadas como, drogas, violência doméstica, homossexualismo, abusos e gravidez na adolescência, porém, tudo é exposto de maneira bem simples, sem deixar a leitura carregada demais com tantos temas polêmicos inseridos na história.

As vantagens de ser invisível

Os momentos mais marcantes do livro para mim foram situações de grande simplicidade, como quando Charlie e seus amigos sentem-se infinitos ao deixarem-se tocar por uma música, ou como quando conclui que cada uma “aceita o amor que merece ter”.

Também pude me enxergar em alguns momentos nas angústias do protagonista, em grande parte da minha vida, também estive no banco do passageiro com o pensamento recorrente de que isso ou aquilo, simplesmente não eram para mim. Charlie nos dá uma boa lição de amadurecimento, pois de uma maneira positiva ou negativa, passou a participar de sua própria vida, já que o importante mesmo, é não passar em branco.


Banner Próximas leituras

No mês de julho realizei uma listinha intitulada de “próximas leituras” e apesar de nem todos os títulos terem virado posts aqui no blog consegui quebrar o bloqueio de leitura que havia sofrendo há vários meses e era justamente esse o objetivo dessa iniciativa.

Algumas obras simplesmente não conseguiram me prender, tentei iniciar “Livros da Magia” de Neil Gaiman, por umas três vezes e achei tudo muito chato, isso não significa que desisti, ele simplesmente retornou para a minha lista de espera!

Li algumas obras que oficialmente não estavam na primeira seleção, mas achei isso legal, pois voltei a ficar entusiasmada para ler algo, como foi o caso de Bidu – Caminhos e Coisas frágeis.

O importante é não parar de ler e por isso selecionei mais algumas obras ainda daquela lista que está criando poeira aqui em casa e outras que adquiri recentemente. Vamos aos títulos?

Leitura Outubro Livros

♥ A Tormenta de Espadas

A Tormenta de Espadas é o terceiro livro das Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R.Martin e narra a continuidade da trajetória de diversos personagens espalhados pelo sete reinos. Finalmente tomei coragem para dar continuidade à leitura da série e sinceramente espero conseguir me empolgar novamente com a história depois do entediante “A Fúria dos Reis”.

♥ As Vantagens de Ser Invisível

Esse é um livro destinado ao público jovem que conta a experiência de vida de Charlie quando o adolescente deixa de ser um mero expectador de sua própria vida para realmente vivê-la. Toda a história é contada por meio de cartas e aborda temas polêmicos como a conturbada convivência na escola, violência doméstica, homossexualismo e drogas.

Leitura Outubro HQ

♥ Os Livros do Destino

A HQ lançada recentemente pela Panini Books contará as origens do Dr. Destino, um dos vilões mais enigmáticos do universo Marvel. A história promete revelar quais acontecimentos levaram o jovem Victor a se tornar essa criatura perversa que usa a ciência e a feitiçaria para realizar seus atos impiedosos.

♥ Maus

Maus é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Ele narra a trajetória de um judeu-polonês que vivenciou e sobreviveu ao holocausto. Para representar o clima da época, além da ausência de cores, os judeus são representados na forma de ratos e os alemães como gatos.

Valente para todas

♥ Valente para Todas

Essa HQ super bonitinha dá continuidade as experiências de vida do cãozinho valente. Depois de sofrer sua primeira decepção amorosa com a gatinha Dama, o personagem está prestes a iniciar um namoro com a Princesa e repentinamente vê-se em meio de uma disputa amorosa.


coisas frágeis capa

No final de junho fiz a escolha de alguns livros e HQs que gostaria de ler pelos próximos meses. Até o momento estou cumprindo lentamente essa meta, mas agora resolvi “trapacear” e iniciei a leitura de Coisas Frágeis um livro de contos do Neil Gaiman que oficialmente, não constava nessa lista.

O autor é conhecido internacionalmente por produzir diversas obras literárias como livros, contos e Graphics novels, dentre elas as mais famosas Coraline, Sandman e Deuses Americanos.

Em Coisas Frágeis Gaiman reuniu uma coletânea de histórias que une a fantasia a realidade e abordam diversos aspectos da vida sempre acrescentando um clima sombrio e misterioso que facilmente prende a nossa atenção e interesse.

A obra completa foi dividida em dois volumes e a primeira edição possui nove contos, muitos deles premiados. Algumas das histórias fazem referencia as obras de diferentes autores passando pelo universo de Sherlock Holmes, Matrix, As Crônicas de Nárnia e até mesmo, Deuses Americanos um dos livros mais famosos de Gaiman.

coisas frágeis

Nesse post irei destacar os contos que mais me agradaram, começando pelo meu preferido “A vez de Outubro”. Nele, os meses do ano estão reunidos com o objetivo de contar algumas histórias e quando finalmente chega a vez de outubro se pronunciar conhecemos a trajetória de Nanico, um garoto que fugiu de casa motivado pelo relacionamento conturbado com sua família e em dado momento dessa jornada recebe os conselhos de um anjo. Esse é, com certeza, um dos contos mais leves e misteriosos da coletânea que consegue misturar os dramas do cotidiano com algo sobrenatural.

Em “Golias”, Gaiman foi desafiado a criar um feature de Matrix que iria ser publicado no site da produção antes do lançamento do filme. Nele, conhecemos um humano com proporções diferentes dos demais que fica preso num looping de tempo e descobre que a nossa realidade é apenas uma ilusão gerada pela pequena parte do nosso cérebro que não está sendo explorada. Essa história foi para mim, uma das mais interessantes que me fez refletir sobre o fato de não estarmos completamente no controle de nossas próprias vidas.

Já em “O Monarca do Vale” somos apresentados a Shadow, o protagonista de Deus Americanos. A história se passa 2 anos após o término do livro onde o personagem é convidado a trabalhar como segurança de uma estranha e misteriosa festa em um dos vilarejos gelados e esquecidos da Escócia.

Gaiman tem um jeito bem interessante de contar suas histórias. Elas são imprevisíveis, empolgantes e nos envolvem facilmente, muitas vezes, ficamos com aquele gostinho de “quero mais”, diante de enredos que poderiam se tornar bons livros e roteiros de filmes!


Brave Disney livros infantis

Eu encontrei essa coleção de livros infantis Disney por acaso, numa banca de jornal. Claro, que a primeira coisa que me chamou a atenção foram as madeixas vermelhas da Merida, mas além de Brave- Valente, outros títulos clássicos da Disney podem ser encontrados nesse mesmo formato como A Bela e a Fera, Branca de Neve e os Sete Anões e A Pequena Sereia.

Todos os livrinhos acompanham um colar com um pingente. O da Bela por exemplo, é a flor vermelha, a da Ariel, uma concha e o da Merida, um amuleto mágico, que na verdade é uma medalhinha com a figura da personagem.

Sinceramente não foi por causa desse brinde que eu resolvi adquirir o livro e sim, por conta de um antigo desejo meu de um dia poder colecionar alguns contos de fadas, já que na minha infância eu não tive essa oportunidade.

A história é contada em poucas palavras, o mais legal são as ilustrações das páginas como vocês podem conferir nas imagens.

Na internet não há praticamente, nenhuma informação sobre essa coleção. Mas acredito que ela possa ser encontrada em qualquer banca de jornal e em algumas livrarias. Cada exemplar custa R$ 29,00, eu achei válido o investimento e pretendo comprar outros exemplares em breve!

Valente livro infantil

brave livro infantil


1984 capa livro

Depois de longos meses sem conseguir terminar a leitura de nenhum livro ou HQ, 1984 finalmente conseguiu me ajudar a quebrar esse bloqueio. A obra de George Orwell lançada em 1948 é considerada uma das mais importantes do século XX e levanta questionamentos políticos e sociais que até hoje, condizem com a nossa realidade.

O protagonista da trama é Winston Smith um funcionário do departamento de documentação do ministério da verdade, cuja função é adulterar os fatos do passado moldando-o para condizer com os interesses políticos do atual momento. Para compreender a profundidade de seu drama primeiro faz-se necessário entender as características da sociedade criada por Orwell.

O ano corrente é 1984, nesse futuro distópico o mundo é divido em três grandes potências: A Oceania, a Eurásia e a Lestásia. As três regiões travam uma guerra constante na luta pelo domínio de um território aparentemente neutro, porém, nenhuma das batalhas possui vencedores definitivos.

Toda a sociedade é controlada pelo “partido” e liderada pelo grande irmão, um ser onipresente que foi criado para que a população aceitasse com maior facilidade todas as regras do sistema. Sua figura, estampada em diversos cartazes pela cidade, é representada por um homem de grandes bigodes, olhar profundo capaz de segui-lo para onde quer que você vá.

1984 george orwell

Nesse regime totalitário leis propriamente ditas, não existem mais, porém, toda a sociedade foi extremamente treinada e manipulada a ponto de tornarem-se seres não-pensantes, sem a capacidade de levantar questionamentos, criar laços sentimentais ou preservar os seus extintos.

Tudo é minuciosamente controlado. Os cidadãos membros do partido possuem em suas residências teletelas, um tipo de televisor que transmite ininterruptamente informações sobre as vitórias da Oceania, incitam o ódio a Goldeinstein, suposto líder rebelde e promovem a idolatria ao grande irmão. Além disso, o aparelho ligado dia e noite consegue monitorar por vídeo e áudio tudo o que acontece no interior das casas. O menor deslize seja ele representado por um simples olhar questionador não passará despercebido à polícia das ideias.

Para conseguirem total controle, a sociedade foi dividida em três castas bem definidas. O partido interno formado pelos líderes, o partido externo, formados pelos trabalhadores que sustentam a sociedade e a grande massa de proletas, pessoas que não vivem sob as regras do partido.

1984 george orwell

Para limitar a expressão, até mesmo a formação de pensamentos críticos, um novo idioma com um numero reduzido de palavras foi inventado: A Novafala, que promete causar um rompimento total com o passado. Além disso, há o conceito do duplipensamento em que o indivíduo é levado a aceitar a existência de duas crenças completamente opostas sem questionar ou resistir.

Diante de uma sociedade em que até mesmo o pensamento é considerado criminoso. Winston começa a refletir, tem memórias de sua infância, sabe que as informações são manipuladas e resiste aos ideais do partido.

Nesse meio tempo, apaixona-se por Julia, sua colega de trabalho e os dois iniciam um romance secreto e proibido. A todo o momento eles sabem que serão pegos, afinal nada escapa ao olhar do grande irmão. Orwell visualizou uma sociedade em que o individual foi aniquilado, não há resistência apenas a tortura politica, a lavagem cerebral e a distorção da realidade.

Apesar de tratar de um assunto polêmico de cunho político, 1984 promove uma leitura gostosa, seus diálogos são simples e apesar da enxurrada de informações transmitidas para contextualizar a história, conseguimos processá-las com facilidade, não sem antes refletirmos sobre todos os fatos e até mesmo compará-los com a nossa própria realidade.

1984, assim como “A Revolução dos Bichos” (1945,George Orwell) e “Admirável Mundo Novo” (1932, Aldous Huxley) são obras atemporais e indispensáveis para nos despertar um olhar mais crítico sobre o cenário político atual. Somos conscientizados sobre o poder de manipulação que a mídia e o próprio governo exercem sobre a sociedade, aprisionando-a com a falsa sensação de liberdade democrática. Recomendo!!


Banner Próximas leituras

O mês de junho começou e para me incentivar a ler a verdadeira pilha de livros e Hqs que só está acumulando poeira aqui em casa resolvi compartilhar no blog qual será o meu plano de leitura para o próximo mês, que eventualmente, poderá se tornar meses, se eu não for comprometida o suficiente 😛

O primeiro semestre  de 2014 foi o mais corrido da minha vida! A época de finalização de curso foi uma verdadeira loucura que me deixou sem a possibilidade e até mesmo vontade de realizar outras tarefas, inclusive poder ter uma boa leitura. Nesse meio tempo, comprei e também ganhei de presente diversos títulos para ler, sem contar os livros que foram emprestados e eu ainda não consegui devolver.

Para acabar com essas pendências e aproveitar boas histórias separei cinco obras para compor essa lista e falarei um pouquinho sobre cada uma delas.

We 3 – Instinto de Sobrevivência e Livros da Magia

Livros da Magia We3

We 3 é uma HQ lançada inicialmente na década de 90 e relançada pela editora Panine Comics em 2013.  A história gira em torno de um cachorro, um gato e um coelho modificado geneticamente pelo governo dos Estudos Unidos para que se tornassem verdadeiras máquinas de guerra.

Em Livros da Magia Neil Gaiman retrata o Universo mágico e apresenta a Timothy Hunter, um garoto aparentemente comum, que o mesmo poderá se tornar um grande mago da Era moderna. Antes de escolher o seu destino porém, ele deverá conhecer os grandes mistérios desse mundo alternativo e todos os perigos e recompensas da magia.

1984 e Os Sofrimentos do Jovem Werther

1984 e Os sofrimentos do Jovem Werther

Os Sofrimentos do Jovem Werther foi publicado pela primeira vez em 1774 e é considerado o marco inicial do romantismo. A clássica obra alcançou sucesso imediato na sociedade da época, por retratar a vida e costumes da burguesia. Toda a história é retratada por meio de cartas enviadas pelo protagonista Werther para o narrador.

1984 é um romance clássico do autor George Orwell. Ele narra a história de Winston que vive aprisionado numa sociedade com o regime político totalitário, onde todos os cidadãos são vigiados pelo Grande Irmão e reprimidos e controlados pelo governo.

Valente: Para sempre

Valente para sempre

E para finalizar, Valente: Para sempre uma leitura que promete ser bem especial. Os traços do Vitor Cafaggi são muito bonitos como eu pude constatar na HQ Laços da Turma da Mônica. A história tem como protagonista o jovem Valente e promete levantar as questões mais comuns da vida de qualquer pessoa como as frustrações da adolescência, as expectativas do futuro com relação a realidade e todas as inseguranças do primeiro amor. A obra tem o formato de tirinhas de quadrinhos e todos os personagens são representados como animais bem carismáticos e fofinhos.

Bom pessoal, por enquanto é isso, conforme for lendo essas obras postarei as resenhas aqui no Colorindo!


Dorian Gray - Filme x Livro

Há alguns meses me dediquei a leitura do clássico O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wild. Em uma época em que me  falta tempo para apreciar uma leitura realmente saudável, esse  livro me acompanhou por muitas noites, quando antes de dormir avançava lentamente por suas páginas.

Muito tempo se passou e a ideia de fazer um post sobre o assunto também foi abandonada. Porém, recentemente o filme estrelado por Ben Barnes, adaptação da obra original, foi disponibilizada no Netflix o que me possibilitou relembrar e fazer um comparativo entre os dois trabalhos.

O personagem principal dessa história é o belo e jovem Dorian Gray (Ben Barnes). Ele chega a Londres após receber a herança do tio falecido recentemente e logo cria uma relação bem próxima com o politicamente incorreto Lord Henry Wotton (Colin Firth) e o artista Basil Hallward (Ben Chaplin), responsável por pintar um retrato de Dorian cuja beleza encanta a todos que pousam os olhos sobre ele.

Dorian gray - filme  (quadro)Dorian Gray e o retrato pintado por Basil Hallward

A trama logo traça o seu rumo quando, o protagonista instigado pelas reflexões de Henry que frequentemente ressalta a importância da beleza e da juventude, deseja em voz alta que nunca envelheça. A partir daí o retrato passa a ser o detentor de todos os pecados cometidos por Dorian, e gradativamente se deforma a cada ato imoral  tornando-se a representação de um espírito corrompido.

A vida completamente desregrada levada pelo protagonista no romance de Oscar Wild é apenas sugestionada. Os locais por onde passou, as pessoas com quem conviveu são pistas deixadas pelo autor para que os leitores interprete e tire as suas conclusões. No cinema em contraposição a qualidade dos figurinos e do tom sombrio e gótico dos cenários, não houve nenhuma preocupação em  exibir cenas de sexo, drogas e Homossexualismo  de forma cuidadosa, todas as ações tornaram-se escrachadas,  demonstradas de maneira vulgar e desnecessária, tornando-se o foco principal da trama em grande parte de seu desenvolvimento. O protagonista parece não se importar com os sofrimentos que uma possível imortalidade pode proporcionar. Seus sentimentos são muito superficiais, como no caso da sua primeira decepção amorosa  com a pobre e iludida atriz Sibil Vane (Rachel Hurd-Wood).

Dorian gray - filmeDorian e lorde Henry

Nas duas obras a influencia de Henry sobre a conduta de Dorian é evidente.  A filosofia do pensamento do lord  no livro eram as partes que eu mais gostava por justamente me fazer refletir sobre as mais diversas e obscuras questões da vida. O trecho a seguir, na minha opinião, norteia muito bem a linha de raciocínio ao qual a obra é direcionada, quando diz:  “Ao envelhecermos, nossa memória é assaltada pelas tentações que não tivemos coragem de vivê-las. O mundo é seu por uma estação. Seria trágico que compreendesse tarde demais que somente uma coisa vale a pena… a juventude.”

A leitura é super indicada para quem está em busca de uma narrativa profunda, fundamentada em reflexões sobre os desejos, escolhas, valores e imposições da sociedade sobre a vida como um todo. Ao retratar a vida de Dorian Gray, a adaptação cinematográfica pecou em deixar de lado grande parte do tom filosófico, e tentou de maneira estranha compensar esse vazio acrescentando uma atmosfera de constante suspense, gritos de horror e derramamento de sangue desnecessários.


peter pan - zahar

A editora Zahar tem uma coleção bem legal de livros de bolso. Além de Peter Pan já foram publicados outros títulos clássicos como Alice no País das Maravilhas, O Mágico de Óz e até um livro de contos de fadas que reúne histórias de diversos autores. A qualidade do livro é muito boa, eu particularmente, gostei muito da combinação da cor e da ilustração da capa dura e confesso que fiquei com uma vontade enorme de adquirir outros títulos da coleção.

A história de Peter Pan já fez parte da infância de milhares de crianças de gerações diferentes. Lançada pela primeira vez em 1911 por J.M. Barrie a trama que alcançou sucesso mundial, ganhou ao longo desses anos, diversas adaptações para o cinema, sendo a mais famosa, a realizada pelos estúdios Disney.

Tudo se inicia quando Peter Pan resolve voltar para recuperar a sua sombra, a qual, havia perdido em uma de suas visitas a propriedade do Sr. e da Sra. Darling, em Londres. O menino, no entanto, traz consigo a fadinha Sininho que derrama um pouco de poeira de fada em Wendy e em seus irmãos, João e Miguel. As crianças logo saem voando pelo quarto e diante de uma demonstração tão poderosa do mundo mágico que Peter lhe falara, não pensam duas vezes em embarcar numa aventura até a Terra do Nunca, que fica logo ali, na segunda à direita, e direto até amanha de manhã.

Disneys-Peter-Pan-MovieAs aventuras de Peter Pan, filme lançado em 1953 pelos Estúdios Disney

A Ilha, habitada por diversas criaturas mágicas como sereias, fadas, índios peles-vermelhas e até mesmo uma comitiva de piratas liderados pelo Capitão Gancho, proporciona as crianças aventuras surpreendentes e Wendy não demora a assumir o papel de mãe de todos os Meninos Perdidos, que foram parar na Terra do Nunca após serem esquecidos pelos seus pais em algum lugar do mundo real.

Por detrás de todo o conto de fada, o autor levanta alguns questionamentos interessantes sobre a vida em família e em sociedade. Os personagens possuem personalidade muito intensa e não há o receio de expor os seus defeitos e falhas. O protagonista, por exemplo, é frequentemente retratado como uma figura arrogante que sempre gostava de se vangloriar de seus feitos, os quais, nunca se lembrava ao certo, se haviam realmente acontecidos ou se fora apenas fruto de sua imaginação. E não é somente a conduta de Peter Pan que é falha, Sininho também expõe com frequência o ciúme doentio de Wendy o que a leva a tomar atitudes extremas, capazes de colocar a garota frente a perigos mortais.

O autor trata de uma maneira interessante a ideia do amor incondicional dos pais pelos filhos. Wendy e seus irmãos, pouco se lembravam de suas vidas deixadas para trás, porém sempre estiveram convictos de que encontrariam a janela de seu quarto aberta, e que seus pais jamais iriam desistir de esperá-los, mesmo após eles os terem abandonado de maneira tão inesperada e porque não, cruel.

Outra coisa que me surpreendeu foi a forma com que J.M. Barrie conseguiu inserir no contexto de uma historia infantil, cenas de violência. O gosto por aventuras de Peter Pan o levou a participar de batalhas sangrentas que envolviam, mesmo que de uma forma lúdica e sutil, derramamento de sangue e assassinatos.

A obra, sem dúvida traz uma história irresistível para as crianças, mas talvez o seu verdadeiro significado possa não ser totalmente compreendido pelos pequenos leitores, uma vez que na infância ainda não passamos pela transição para a vida adulta, quando somos praticamente obrigados a abandonar o nosso mundo de faz de conta e buscar uma maneira de nos inserir e viver seguindo os padrões impostos pela sociedade.

Peter and Wendy - capaO livro ainda traz o Frontispício da edição original de Peter Pan