Livros, Filmes e Nerdices aleatórias

Arquivo da categoria: Curiosidades

Halloween-Jack-O-Lantern

Nesse final de semana de Halloween vamos aproveitar para conhecer um dos principais símbolos dessa festa? O Jack Lanterna!

Aqui no Brasil a comemoração não é tão difundida e ainda há muito preconceito com relação ao assunto. Pelo contexto histórico é comprovado que o cristianismo é o principal causador da “demonização” do evento por se tratar de um festejo pagão.

As abóboras luminosas fazem parte do folclore norte-americano e trata-se na verdade, de uma adaptação de uma antiga lenda Irlandesa que foi incorporada ao All Hallows Even ou véspera do Dia de todos os Santos.

Reza a lenda que no dia 31 de outubro, Jack um homem alcoólatra e mesquinho, bebeu mais do que deveria e o diabo veio buscar a sua alma para levá-la para as profundezas do inferno. Só que ao conceder-lhe seu último copo de bebida o coisa ruim teve de transformar-se em uma moeda e esperto, Jack o prendeu em seu bolso no qual havia gravado uma cruz. Encurralado o capeta teve que aceitar o trato proposto por seu captor, dando-lhe mais uma ano de vida até que pudesse voltar e recolher a sua alma.

jack lanterna lenda

Diante da segunda chance que lhe foi dada, Jack resolveu se redimir de seus mal feitos. A partir de então abandona o seu vício pelo álcool e passa a ser bom e justo com a família. A mudança, no entanto, não dura muito tempo e na data marcada do ano seguinte, o Diabo volta outra vez, reclamando o que é seu por direito.

Mais uma vez, Jack banca o espertalhão e convence o Diabo a pegar uma maçã numa árvore, é aí que aproveita a oportunidade de captura-lo desenhando uma cruz em seu tronco e ordenando que o Diabo o deixe em paz para sempre!

Porém, as coisas não andavam realmente boas para Jack e em apenas um ano, sua vida chega ao fim. Depois de sua questionável conduta aqui na Terra, o personagem é rejeitado no céu e por ter humilhado o Diabo tantas vezes, também não consegue passagem para o inferno. Condenado a vagar pelo limbo por toda eternidade, Jack coloca um brasa dentro de um Nabo para que a pequena chama possa iluminar o seu caminho conforme perambula por ai.

Quando essa história chegou aos Estados Unidos difundida pelos imigrantes irlandeses, o nabo foi substituído por abóboras já que esse, era um vegetal mais abundante na região e a partir de então, as pessoas passaram a colocar esse tipo de lanterna em suas portas para afugentar Jack e outros espíritos malignos da noite de Halloween!

Influenciada pelos filmes Hollywoodianos ou não, eu gosto do dia das bruxas e realmente acho que seria divertido ver casas enfeitadas e crianças fantasiadas pelas ruas pedindo doces ou travessuras, é claro, se esse tipo de coisa funcionasse aqui no Brasil.


Boxtroll

Eu sempre tive curiosidade de saber como as coisas aconteciam por trás das câmeras. Lembro que acompanhava na antiga MTV Brasil, alguns programas de Making of que mostrava os bastidores de algumas produções como filmes e clipes.

Hoje venho mostrar para vocês algumas curiosidades e informações sobre a produção que irá estrear em 02 de Outubro nos cinemas brasileiros: The Boxtroll. A animação é de autoria dos estúdios Laika que já produziu Coraline em 2009 e mais recentemente, ParaNorman em 2012.

A nova produção traz como inspiração Monty Python, o ballet Russo e também um livro infantil de Alan Snow “Here be Monster!”.

Boxtroll backstage

Na história iremos acompanhar a jornada do garoto Egg e de diversos monstrinhos que vestem-se com caixas de papelão e vivem no subterrâneo da cidade de Cheesebridge.

A produção será realizada em Stop Motion, mas contará também com CG para dar mais amplitude aos cenários e não deixar a impressão de que o espectador está encurralado dentro de um set de filmagem limitado.

Pelas fotos conseguimos perceber todo o trabalho desempenhado para a realização das cenas. A riqueza de detalhes e a delicadeza de todos os elementos realmente impressionam. Neste post aqui vocês podem visualizar melhor os detalhes.

Boxtroll backstage

O design dos cenários é bem interessante. A equipe de criação parece ter gostado dos traços trêmulos do artista Michel Breton e resolveu incorporar essa característica aos elementos em cena. Se olharmos bem tudo parece oscilar, nada é realmente reto.

Já para o figurino e definição da identidade visual, houve a inspiração de diversas pinturas do século XIV e XX, o objetivo era deixar a produção com o design de um filme de época inusitado. Além disso, uniformes militares, o figurino do movimento Punk Rock inglês e até mesmo o ballet russo influenciaram na criação do visual tanto dos monstrinhos como dos moradores de Cheesebridge.

Boxtroll backstage

O próprio nome da cidade fictícia nos sugere que os queijos terão uma importante participação na história. Cheesebridge vem de Cheese (queijo, em inglês) e é justamente essa a obsessão dos aristocratas “apreciar os mais finos e fedorentos queijos”. Para isso foram criados mais de 55 esculturas diferentes de queijos que serão utilizados nas cenas!

Realizar uma produção desse porte envolve muitos profissionais, acho muito legal conhecer o backstage das produções para termos um pouquinho da dimensão do trabalho realizado, isso também nos ajuda a prestar mais atenção a outros detalhes quando formos conferir o resultado final! 😉


Banner-Bidu

Hoje trago para vocês mais um post sobre a turma da Mônica e o personagem escolhido para conhecermos um pouquinho mais de sua história é o Bidu! É bem legal pesquisar sobre um assunto em específico, reunir e filtrar todas as informações encontradas e compartilhar com vocês aqui no blog.

Acho o momento mais do que especial para falar do cãozinho azul criado pelo Maurício de Sousa afinal, a Graphic Novel Bidu – Caminhos de Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho foi lançada recentemente e tem como foco principal a origem da amizade entre o cãozinho e o Franjinha.

O personagem é considerado o primeiro integrante da Turma da Mônica e foi inspirado no cachorrinho da raça Schnauzer que o autor teve na sua infância, já o Franjinha trazia traços da personalidade de seu criador e também de um sobrinho de Maurício, a partir de então diversos outros personagens foram criados inspirados em alguém de sua convivência.

Evolução biduA evolução do personagem Bidu

Nas tirinhas iniciais, que eram publicadas semanalmente, os personagens ainda não possuíam a personalidade que conhecemos e nem mesmo, nomes. Foi só um ano depois de sua estreia, quando as publicações passaram a ser diárias que houve a “eleição” para o nome do personagem.

Muitos nomes esquisitos e engraçados foram sugeridos, até que um deles pegou: “Bidu”, essa expressão era na época muito utilizada para indicar esperto, sabichão. Já com o Franjinha o nome surgiu justamente pelo fato do personagem possuir franjinhas de nanquim em formato de pequenas gotas.

A dupla agora “Bidu e Franjinha” permaneceu em preto e branco por bastante tempo ainda. Na época os jornais não possuíam cores e os personagens foram adquirindo a forma com que conhecemos hoje e ganhando suas cores características apenas 1963 na Folhinha de São Paulo.

Como vocês podem observar nas imagens do post, a evolução do personagem foi acontecendo gradativamente. Abaixo a comparação da capa do primeiro exemplar da revistinha do Bidu e o Encadernado Bidu 50 anos lançado em 2009.

Capas bidu
Atualmente, encontramos o Bidu vivendo grandes aventuras e fábulas ao lado de sua própria turminha. O engraçado é que o personagem na maioria das vezes sabe que está dentro de um gibi e faz o possível para criar histórias de sucesso que quase sempre não dão certo e ele recebe as inevitáveis cartas de reclamações de seus fãs.

Espero que tenham gostado do post, em breve mais novidades sobre a história de outros personagens de quadrinhos famosos aqui no blog!


Horácio turma da mônica

Em um dos primeiros posts do blog eu compartilhei com vocês que eu praticamente aprendi a ler com o incentivo dos gibis da turma da Mônica. Ainda guardo com bastante carinho e um pouco de nostalgia vários gibis adquiridos ao longo de alguns anos, a coleção não é grande, mas tem bastante significado para mim. Lembro que a cada visita ao médico (sim, eu fui muitas vezes ao médico naquela época) a parte mais legal era passar nas bancas para comprar um ou dois gibis e vir ao menos folheando a revistinha no ônibus até chegar em casa.

Nesse post irei falar da história do Horácio, um dos personagens mais importantes de Mauricio de Sousa mas que, a meu ver, não é muito popular.

Apesar de não parecer ele é um Tiranossauro que insiste em se alimentar apenas de folhas. Seus monólogos são bastante reflexivos e levantam diversos questionamentos sobre a vida.

Tirinha Horácio

Justamente por possuir essa característica Horácio é o único personagem da Turma da Mônica que ainda é realizado somente pelo Mauricio. O autor se diz incapaz de transferir esse trabalho a outros editores já que a visão de mundo do Horácio é altamente atrelada ao seu ponto de vista, ou seja, ninguém mais poderia transmitir a essência dos pensamentos do personagem senão ele próprio. Algumas histórias são alvos de polêmica na internet, como é o caso da tirinha abaixo, somente a imagem já esclarece o motivo, rs!

horacio tirinha

Considerado por muitos o alter ego do artista, Horácio surgiu como coadjuvante da história do Piteco em 1960. Naquela época ele não possuía personalidade propriamente dita, apenas seguia o seu dono para todos os lados e agia basicamente como um fiel cachorrinho. Em 1963 Horácio ganhou o seu merecido destaque e suas tirinhas passaram a ser publicadas todos os domingos na Folhinha de S.Paulo.

Com o passar dos anos as histórias estreladas pelo personagem passaram a ficar mais complexas e filosóficas, além discursar sobre o sentido da vida, diversos outros dinossauros foram acrescentados a sua convivência, como o Alfredo que o carrega para lá e para cá, a Lucinda e a Simone que visivelmente tem uma forte queda pelo dinossaurinho e o Tecodonte, Brontossauro e Estego, seus amigos e companheiros em diversas histórias.

personagens horácio

Em 2013 a Panini Books lançou um coletânea de histórias do personagem lançadas entre os anos de 1963 e 1965 que mostra claramente a evolução do teor de suas aventuras e do traço do Mauricio de Sousa. Achei bem legal esse encadernado quando o descobri e confesso que fiquei tentada a comprá-lo algum dia. Espero que tenham gostado de conhecer um pouquinho mais sobre a história desse clássico personagem dos quadrinhos brasileiros! 🙂


logo-ingles

Há tempos aprender Inglês ficou meio esquecido entre as minhas principais prioridades. Apesar de ser uma necessidade para o futuro profissional, quando o aprendizado acontece por meio de coisas que realmente gostamos essa atividade mostra-se muito mais interessante e prazerosa e acredito que rende muito mais resultados que logo podem ser notados no nosso dia a dia.

A dica de hoje é bem legal e envolve o aprendizado através de filmes, séries e programas de TV na língua inglesa. Para mim é uma tarefa praticamente impossível assistir a algo do gênero e não ficar perdida, entendo muitas das palavras ali ditas mas não conseguindo construir um contexto para as frases que parecem soltas e sem sentidos.

Compreender filmes, séries e programas de TV vai muito além da questão do próprio idioma sendo, na verdade, algo cultural. Sem ter a mínima intimidade com a cultura de um país fica difícil entender as piadas e expressões faladas pelos nativos, nesse contexto, fazer uso de uma técnica simples pode ajudar bastante.

Supernatural - subtitlesSupernatural: Sam and Dean Winchester

A dica é dada pelo professo EJ, um americano que tem um método bem dinâmico de ensinar Inglês para estrangeiros, focando acima de tudo na parte prática do idioma, que na vida real, é o que realmente vai tornar a sua comunicação/interação possível.

1. Assista apenas 3 ou 4 cenas com legendas em Inglês que durem no máximo alguns minutos, o ideal não é assistir por horas a fio um filme inteiro de uma só vez.

2. Anote todas as palavras e expressões não conhecidas. Use o dicionário para decifrá-las e só então assista por mais várias vezes a mesma cena recordando as expressões anteriormente aprendidas.

3. O processo é demorado e deve ser executado por vários dias seguidos para que ocorra a fixação das palavras aprendidas e somente após 6 ou 7 dias deve-se passar para a análise e entendimento do próximo trecho.

Esse método exige muita paciência, dedicação e comprometimento, mas proporciona um aprendizado muito mais profundo já que o cérebro grava para sempre as expressões e palavras que usamos com frequência.

Para um melhor esclarecimento dessa técnica, assista o vídeo abaixo. 2014 já está aí e aprender um novo idioma pode ser um grande plano para o ano que se inicia!


13 anões do Hobbit

Se você assim como eu, mesmo depois de ter assistido O Hobbit – A Desolação de Smaug, ainda não conseguiu decorar os nomes de todos os 13 anões que fazem parte dessa épica e empolgante aventura ao lado de Bilbo Bolseiro, uma ‘colinha’ super legal vai te ajudar a identificar cada um deles de acordo com suas características mais marcantes.

A imagem, criada pelo site Lotrproject dedicado a publicar uma série material interativo sobre a Terra Média, é basicamente um esquema que consegue por eliminação, chegar ao anão que corresponde as características apresentadas.

Para te ajudar a iniciar esse “estudo avançado sobre os anões” Confira a imagem, (tentei traduzir da melhor maneira possível)!

Como identificar os anões do Hobbit

Os atores que deram vida aos 13 anões tiveram que passar por um longo processo de transformação para adquirirem a aparência de seus personagens. Peter Jackson conseguiu dar mais personalidade aos anões de Erabor conferindo a cada um deles características únicas.

Apesar de nem todos eles, terem ficado necessariamente com cara de anão, eu gostei das modificações. Era preciso dar um aspecto mais realista que condissesse com o estilo da adaptação.

Abaixo um dos pôster de divulgação do primeiro filme da trilogia que reúne o líder Thorin e os outros 12 anões da companhia.

All-Dwarves


capasHarryPotter-ColorindoNuvens

Em primeiro de setembro será comemorado o aniversário de 15 anos do lançamento do primeiro livro da Saga Harry Potter nos Estados Unidos, para celebrar a data a editora Scholastic irá relançar todos os sete livros da série, numa edição comemorativa que contará com as novas capas produzidas pelo escritor e ilustrador Kazu Kibuishi.

O artista conseguiu dar um ar bem mais sóbrio as capas que apesar de conterem desenhos mais adultos, continuam transmitindo toda essência dos livros, relatando seus principais acontecimentos. Em entrevista para editora, ele revela como encarou o peso da responsabilidade de fazer as novas versões das capas de uma das séries de livros mais vendidas da história. Segundo suas declarações, a ilustração mais trabalhosa foi a capa referente a “Harry Potter e a Câmara Secreta” que teve nada menos que 60 versões, antes do artista resolver iniciar tudo novamente do zero.

O lançamento está marcado para o próximo dia 27, porém aqui no Brasil ainda não há notícias se a editora ROCCO, que possui os direitos da série no país irá disponibilizar essa nova versão.

Abaixo o resultado do trabalho de Kazu Kibuishi, a minha preferida é a capa do quinto livro (Harry Potter e a ordem da Fênix) que na versão clássica tem uma ilustração que considero meio sem graça.

Harry Potter - Livro 1 - Edição Comemorativa

Harry Potter - Livro 2 e 3 - Edição Comemorativa

Harry Potter - Livro 4 e 5 - Edição Comemorativa

Harry Potter - Livro 6 e 7 - Edição Comemorativa

A versão clássica das capas lançadas no Reino Unido, Austrália e Canadá além de terem versões distintas para adultos e crianças foram feitas por diversos artistas. Abaixo as imagens da coleção infantil que tiveram como ilustradores Thomas Taylor em “Harry Potter and the Philosopher’s Stone”, Cliff Wright para os dois livros seguintes “Harry Potter and the Chamber of Secrets” e “Harry Potter and the Prisoner of Azkaban”, Giles Greenfield para “Harry Potter and the Goblet of Fire” e Jason Cockcroft responsável pelas trê ultimas obras da série “Harry Potter and the Order of the Phoenix”, “Harry Potter and the Half-Blood Prince” e “Harry Potter and the Deathly Hallows”.

Harry Potter - Livro 1 - UK Canada Austrália

Harry Potter - Livro 2 e 3 - UK Canada Austrália

Harry Potter - Livro 4 e 5 - UK Canada Austrália

Harry Potter - Livro 6 e 7 - UK Canada Austrália

E por fim, as capas que os brasileiros tanto conhecem. Essa versão que é a mesma lançada nos Estados Unidos foi criada pela artista Mary GrandPre! Depois de tantas ilustrações impossível não dar vontade de ir correndo reler os livros que marcaram minha infância/adolescência e que eu amo até hoje ♥

Harry Potter - Livro 1 - Brasil EUA

Harry Potter - Livro 2 e 3 - Brasil EUA

Harry Potter - Livro 4 e 5 - Brasil EUA

Harry Potter - Livro 6 e 7- Brasil EUA


Ratatouille-ColorindoNuvens

Ratattouille, uma das produções mais belas e românticas dos estúdios Disney-Pixar, foi lançado em 2007 com direção de Brad Bird e Jan Pinkava.

Na minha opinião, é indiscutível a qualidade de Ratatouille, o visual do filme foi muito bem planejado oferecendo ao espectadores uma fotografia muito bonita associado a uma história original, recheadas de personagens carismáticos e bem desenvolvidos.

Porém, chegar a esse resultado surpreendente não foi um processo simples. A equipe de produção teve que investir bastante tempo no estudo e observação dos elementos que iriam compor o filme afim de deixar a produção mais realista.

Somente para a produção dos alimentos foram preparados e fotografados mais de 270 tipos de alimentos reais, assim como foram observados o processo de decomposição natural de alguns deles, para servirem como referencia para a criação desses elementos no computador. Além disso, a equipe de produção fez um estágio de 2 dias na cozinha de um restaurante para observar o funcionamento do ambiente para retratar de maneira dinâmica em Ratatouille os processos internos de um restaurante.

A cidade escolhida para ser palco do filme foi a grandiosa Paris que foi fotografada em mais de 4500 ângulos diferentes, deixando assim uma gama enorme de opções de paisagens para serem usadas como cenários para o filme. É justamente essa parte importante e bela da produção que são focadas as Concepts Arts de Ratattouille, as imagens abaixo são super bem trabalhadas e o visual realmente impressiona, confira! 😉

Clique nas imagens para ampliar!

ratatouille 1

Concept Art: Ratatouille

ratatouille 2

Concept Art: Ratatouille

Concept Art: Ratatouille

Todas as imagens pertence aos Estúdios Disney-Pixar.


Turma da Mônica

Ao longo de todos esses anos de existência a turminha de Mauricio de Sousa passou por diversas modificações. Alguns dos personagens bem famosos como a própria Mônica eram inicialmente coadjuvantes em outras histórias e foram adaptados em traços e personalidade para ganharem suas histórias próprias onde eles seriam o grande destaque.

Trabalhando com uma rotina pesada de ter que manter três tiras diárias na Folha, Mauricio de Sousa tinha que dar conta do processo de produção sozinho, que incluía desde a criação de um roteiro, os desenhos e a árdua tarefa de utilizar tinta e nanquim em personagens, cenários e balões até chegar ao processo final de limpeza, onde a borracha trabalhava incansavelmente.

Os primeiros personagens a ser criado pelo autor, foi Franjinha e seu cachorrinho de estimação, Bidu. Com muito mais detalhes que os personagens que surgiriam posteriormente, portando sapatinhos, meias e até franjinhas em Nanquim, foi na história da dupla que nasceu o Cebolinha também agraciado com o detalhamento que foi abandonado em criações posteriores.

O motivo para tal era que a rotina de Mauricio de Sousa crescia e o tempo ficava cada vez mais escasso então a simplificação dos personagens fazia-se necessária. Os cabelos foram ficando mais simples, as roupas tornaram-se mais básicas e os sapatinhos sumiram, essa é a explicação para que alguns personagens como a Monica, Magali e Cascão andarem descalços e não terem nem ao menos dedinhos. Já Chico Bento personagem que surgiu em paralelo sendo uma publicação de um jornal chamado Diário da Noite, já havia se consolidado possuindo dedinhos que não poderiam simplesmente ser modificados.

Os traços em geral ficaram bem diferentes, a turminha já passou pela fase magricela, rechonchuda e angulosa, até chegarem aos adoráveis traços que tanto conhecemos. Claro que com o sucesso e visibilidade que conquistou com seu trabalho, Mauricio de Sousa passou a ter uma equipe própria para ajudá-lo na produção de suas histórias possibilitando a criação de personagens muito mais trabalhados com diversos detalhes, porém a mudança dos traços dos personagens que se consagraram com uma aparência mais simples seria no mínimo bem estranha, então se decidiu por preservar suas características clássicas.

As imagens abaixo caracterizam bem a evolução dos personagens. A Mônica surgiu inicialmente como a irmã mais velha de Zé Luiz, numa tirinha do Cebolinha, onde ela era uma menina bem invocada que já andava com um coelhinho de pelúcia e possuía seus famosos dentões.

Com a necessidade de simplificar os desenhos, a personagem foi perdendo cabelo até possuir esse aspecto de cabelo em “formato de banana” e roupinha mais básica. Já o Chico Bento antes com um aspecto bem mais adulto era na verdade um mero coadjuvante das histórias dos personagens que hoje seriam Zé da Roça e Hiro, atualmente personagens secundários no Almanaque do Chico Bento. Essa inversão de papéis deu-se devido ao carisma do jeito caipira de Chico Bento que acabou por conquistar muita visibilidade.

Personagens Turma da Mônica

O aspecto do Cebolinha já lembrava bastante o que ele é atualmente, exceto é claro pela quantidade de cabelo que foi rareando com o passar de suas versões. Já a Magali e o cascão que surgiram para contracenar com a Mônica e o Cebolinha já nasceram com seus traços psicológicos bem definidos, a primeira super gulosa e o outro, sujinho como sempre.

Horácio, o personagem pré-histórico da Turminha ganhou bastante destaque com o tempo. De início não passava do animal de estimação do Piteco, mas foi ganhando personalidade própria assim que Maurício de Sousa viu a oportunidade de expressar parte do que é através do personagem. É a partir dele que o autor faz diversas críticas aos costumes e expressa seus desejos muitas vezes camuflados nas fábulas de Horácio.

Personagens Turma da Mônica

Para maiores informações confira uma crônica de autoria de Mauricio de Sousa intitulada “Porque a Mônica não tem sapatos?” lá encontramos detalhes de como foi o início de carreira do quadrinista!


Paperman

Paperman curta que surgiu no período de ociosidade dos estúdios Disney entre a animação “Enrolados” e o início da produção de “Detona Ralph” promete trazer uma tecnologia jamais vista no mundo das animações.

É visível que nos últimos tempos a técnica de animação em 2D que inicialmente fora amplamente utilizada para a produção de clássicos do cinema infantil perdeu espaço para obras realizadas por computação gráfica e efeitos digitais cada vez mais realistas.

A técnica intitulada Final Line Advection criada pela equipe de desenvolvedores de Paperman permite trabalhar os personagens associando a computação gráfica aos desenhos feito a mão preservando a aparência das tradicionais produções mas dando mais volume e profundidade aos traços gerando um resultado completamente novo

Para exemplificar a nova tecnologia, a Disney divulgou o processo de criação dos personagens passo a passo.

1- Inicialmente são feitos modelos de computação gráfica dos personagens, assim como são utilizados em animações em 3D.

Paperman- Step by Step 1

2- Os traços a mão são feitos diretamente sobre os modelos em computação gráfica.
Paperman- Step by Step 2

3- Para refinar as expressões os animadores constroem as caracteristicas dos personagens em computação gráfica.
Paperman- Step by Step 3

4- Nas ultimas etapas entra em cena o software desenvolvido para essa técnica, o Mender. É ele que irá transportar os traços desenhados anteriormente para o próximo quadro, dando a impressão de que foram pintados a mão.
Paperman- Step by Step 4

Se a técnica realmente for aperfeiçoada como os estúdios Disney pretendem fazer, podemos estar diante de um novo jeito de fazer animação que poderá trazer mais competitividade e qualidade as produções em 2D que aos poucos vem caindo no esquecimento.

Paperman será exibido antes de Detona Ralph que estará nos cinemas a partir de 4 de Janeiro. 🙂